Como formar os líderes de amanhã?

Por Sergio Luciano

Já podemos ver um novo estilo de liderança aflorando no mundo dos negócios. Impossível não destacar Mark Z., criador do Facebook, como um ícone para uma nova geração de líderes. Junto com ele encontramos diversos outros profissionais, em sua maioria empreendedores que decidiram tocar sua empresa tal qual manda seu feeling, abrindo mão de muitas formalidades um tanto “desnecessárias ao bom andamento de um processo”. Se por um lado podemos nos deparar com tentativas desastrosas, por outro vemos muitas empreitadas darem certo. Nos resta aprender com os erros e nos valer do sucesso obtido.

Culturalmente, sempre se prezou, além do profissionalismo e capacitação, que os colaboradores se adaptassem ao ambiente coorporativo. Um ambiente totalmente diferente de suas realidades fora do trabalho. Um outro mundo onde temos que “nos despojar de nosso eu” e “vestirmos a camisa da empresa”. Mas será este mesmo o caminho a seguir? Até que ponto algumas restrições e/ou prescrições podem ser favoráveis à empresa e qual o momento em que podem tornar-se empecilho para o crescimento e aproveitamento dos colaboradores?

Desde que começaram os estudos sobre administração, muita coisa mudou. Apesar de serem válidos, corretos e muito importantes, muito do que nos foi ensinado deve ser revisto no ponto de vista de sua aplicabilidade. Gerações se passaram, a história foi escrita e reescrita por diversas vezes. Junto com cada um destes eventos, as pessoas mudaram. Já não vivemos no “mundo controlado” de nossos pais, que tentavam ser livres, mas vivemos uma era de liberdade, que hoje estamos aprendendo a controlar.

Os líderes de amanhã, que hoje ainda precisam de certo modo ser “domados e adestrados” para atingirem o máximo de seu potencial, precisam ser vistos e reconhecidos. A inovação tomou conta do mundo dos negócios e é preciso aprender a conviver com ela. O que nos resta senão ensinar aquilo que nos foi passado e esperar que as novas gerações façam proveito disto? Aliás, de certo modo, este é o maior empecilho para estes jovens. Confiança.

Ainda há muito receio no meio empresarial em confiar responsabilidades nas mãos de jovens promessas. Em muitos casos, vemos até uma expectativa para que nada dê certo (por parte de algumas pessoas que se sentem incomodadas com o destaque destes jovens). Cabe aos gestores identificar estas jovens promessas e dar uma atenção especial a elas.

Mas como, depois de identificados, reter e manter estes jovens motivados na empresa? Como fazer com que não busquem novos horizontes em outros lugares? Abaixo algumas dicas.

Seja transparente: essa nova geração é muito mais que colaboradora, ela é amiga. Seus sentimentos afloram a todo tempo e não relutam em expressarem-se. Portanto, ser transparente com todos é a chave para o sucesso. Deixe-os saber o que pensa deles, feedbacks constantes são fundamentais. Apresente a realidade da empresa, as oportunidades e até onde eles podem chegar. E o mais importante, não minta ou engrandeça algo e não gere expectativas aquém da realidade. Isto irá decretar a baixa destes profissionais na empresa.

Ofereça desafios: a geração y é sedenta por algo mais. Sempre está disposta a se arriscar e atingir o máximo de seu potencial. Não deixe que eles fiquem “parados”. Direcione-os para atividades que irão fazê-los quebrar a cabeça e que desafiem seus limites. Deixe sentirem um pouco da pressão e responsabilidade de algumas atividades importantes desde cedo, isto produzirá bons líderes amanhã e com o discernimento necessário para tomarem decisões importantes.

Estimule-os a desenvolver competências: por estarem sempre em busca de algo mais, é sempre bom estimular estes jovens a continuarem se desenvolvendo, motivando-os a aprender e fornecendo espaço para que possam aplicar estas competências. Dê visibilidade ao seu trabalho e mais uma vez, forneça feedback de como anda seu desenvolvimento. Se possível e for parte da política da empresa, forneça e/ou financie cursos que irão sem utilizados no desenvolver de suas atividades diárias.

Ensine-os a terem os pés no chão: ensine-os a pensar suas atitudes e pesar as consequências das mesmas. Inspirados por ícones que obtiveram sucesso da noite para o dia, a geração y tende a querer resultados rápidos. Cabe ao bom gestor amadurecer estes jovens e também estimular o espírito empreendedor deles (afinal empreendedorismo pode e deve ser utilizado, e muito, dentro da empresa).

Não é uma tarefa fácil manter estes talentos na empresa, mas tenha certeza que estes serão os destaques de amanhã e farão parte de seu sucesso. Não deixe o orgulho falar mais alto e fazê-los dispensar estes funcionários. Não encare o ambiente de trabalho como uma disputa de poderes e status.

Seja parceiro, amigo. Faça do ambiente de trabalho um lugar agradável, quase uma extensão de suas vidas pessoais. Uma empresa de sucesso é construída através de parcerias, e a primeira delas começa internamente, feita por cada um de nós.

, Sérgio Luciano, pós-graduando em administração de empresas pela FGV (Fundação Getúlio Vargas), formado em Logística pela Veris IBTA,

Fonte: http://www.ynovacao.com.br

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: