O mar de tubarões e a economia criativa

Por Israel Araujo

Esta coluna é publicada as Sextas Feiras

A busca ansiosa por um emprego público, através dos concursos, retrata um aspecto importante do mercado de trabalho. Cada vez mais pessoas procuram oportunidades que lhe tragam segurança, estabilidade, permitindo-lhes uma perspectiva de longo prazo. É uma atitude praticamente natural, porém um pouco preocupante. A disputa pelas melhores vagas de emprego na iniciativa privada deixa muita gente boa de fora, é verdade, e a cobrança por desempenho ao longo do tempo provoca tensão e estresse, também é verdade. Mas a febre do concurso público pode conter uma característica importante: pouco espírito empreendedor, aversão a riscos.

O brasileiro empreendedor prova, no mercado, a duras penas, que não desiste nunca. A luta pela ascensão gera, muitas vezes, um ambiente inóspito. Chega a ser uma arena, a que adentram os mais corajosos, e não é muito delicada com os inexperientes, os novatos. O mundo dos bons negócios do presente é território de peixe grande, próprio para quem tem bala na agulha. Para empreendedores pequenos faltam estímulo e financiamento adequado, além de informações e outros fatores. Aqueles que carregam fantasias demais e lastro de menos na bagagem se deixam assustar pelas chances de dar errado. Uns poucos remam contra a maré de incertezas, deixando-se levar pela chance de dar certo.

No início de um novo negócio, há pouca margem de manobra. Nesse momento, os erros custam muito caro. Leis complexas, duras, o custo da folha de pagamento, falta de financiamento e a carga tributária são reflexos da falta de políticas públicas estimulantes. O pequeno empreendedor, num mar de adversidades, pode ser engolido pelos tubarões ou devolvido à praia por uma onda mais forte. Os bons negócios tradicionais estão ocupados, águas de tubarões. Empreender, agora, significa inovar, criar. É a hora dessa “juventude mostrar seu valor” e criar os bons negócios do futuro. É a hora da tal da economia criativa, espaço onde se misturam conhecimento, informação, serviço, entretenimento e se oferecem opções para uma gente que tem cada dia mais tempo disponível e está disposta a pagar cada vez mais por uma ” experiência”. Não há, ainda, tubarões nessas águas.

Reconhecer quem fez algo nessa área pode significar o estímulo que falta para outros tomarem a iniciativa e se lançarem ao mar de oportunidades dessa “nova economia”. Ganhar ou perder não conta, necessário é viver. O segmento de grandes eventos musicais, marcado antes pela informalidade, mesmismo e baixa qualidade dos serviços, é exemplo de empreendedorismo. Enio Cabral, Pedro Neto, Alexandre Frota e Carvalhinho são protagonistas de uma iniciativa vitoriosa. O Siriguella é um fato relevante da economia cearense. Já tem um passado de vitórias, precisa ser estudado no presente. Seu exemplo pode jogar luz no futuro.

Email: israelaraujo@israelaraujo.com.br – twitter: @israelaraujorh

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: