A ensurdecedora arte de ouvir

Por Israel Araujo

Esta coluna é publicada as Sextas Feiras

Disse Charles Chaplin: “Cuidado com as palavras pronunciadas em discussões e brigas, que revelem sentimentos e pensamentos que na realidade você não sente e não pensa… Pois, minutos depois, quando a raiva passar, você delas não se lembrará mais… Porém, aquele a quem tais palavras foram dirigidas, jamais as esquecerá…” A constituição do corpo humano revela uma proporção que deveria ser observada e, principalmente, respeitada. São dois ouvidos para uma única boca. Muitos de nós esquecemos essa relação e utilizamos o sentido da fala muito mais que a escuta. Falar normalmente agrada as pessoas. Isso está relacionado diretamente ao fato de que todo mundo gosta de atenção, de ter voz, de ter vez e de ser ouvido. Quando uma pessoa escuta a outra, demonstra interesse naquilo que ela tem para dizer e, portanto, respeito por suas opiniões e ideias. Escutar alguém, simplesmente, costuma ser a melhor coisa que você pode dizer.

Escutar realmente alguém não é uma tarefa simples. Requer prática e atenção. A maioria das pessoas não sabe escutar, elas não se dão o tempo necessário para processar as informações, e normalmente estão pensando na resposta ou na sua próxima fala antes mesmo de deixar o outro terminar de falar. Tente incorporar uma diferença preciosa entre escutar e ouvir. Escutar é a utilização orgânica de um dos sentidos do corpo humano. Podemos exercer este sentido sem sequer estar atentos aos sons percebidos. Do outro lado, quem ouve está estabelecendo uma conexão íntima com o interlocutor. Ouvir exige a utilização conjunta dos demais sentidos, incluindo a dedicação dos seus pensamentos e sentimentos, dando total atenção àquilo que alguém está querendo transmitir. A poucas pessoas Deus dá o dom de ouvir. Se você não o recebeu, pode desenvolvê-lo.

Quando alguém realmente ouve, se aproxima da intimidade da outra pessoa, na medida em que passa a compartilhar suas experiências, sentimentos e emoções. Vivemos tão mergulhados na nossa própria vida, tomados por um egoísmo inconsciente, que perdemos a oportunidade de aprender com os outros e solucionar nossos próprios problemas simplesmente estando prontos a ouvir.

Essa arte é uma competência cada vez mais apreciada nas organizações. Quando o maior patrimônio de uma empresa é o seu capital humano, dispor de um líder que sabe ouvir e conduzir sua equipe é um tesouro valorizado. Pessoas bem versadas na arte de ouvir podem se tornar líderes seguidos pelo exemplo, sem necessidade de palavras, ou negociadores vencedores, sem necessidade de argumentos. Valorize seu interlocutor. Se quer realmente ouvir, foque sua atenção nos olhos de quem fala, na sua expressão, timbre de voz e gestos corporais. Falar menos e ouvir mais é uma atitude positiva que abre portas, sensibiliza corações e mentes e aproxima as pessoas. Você me ouviu?

Email: israelaraujo@israelaraujo.com.br – twitter: @israelaraujorh


Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: