Indústrias Matarazzo: a maior empresa brasileira de todos os tempos- Ultima Parte

Analisando a queda do Império.

Escrito por Pedro Paulo Galindo Morales.

A historia do Grupo Matarazzo é riquíssima de exemplos de dedicação e empreendedorismo, mas também podemos analisar os erros de gestão cometidos principalmente por Chiquinho Matarazzo quando esteve a frente desse fabuloso império alguns números confirmam o que estamos escrevendo, o complexo empresarial podia ser comparado à solidez do Império Britânico chegou s empregar 6% da população paulistana nas suas 365 fabricas, hoje o patrimônio seria equivalente a 20 bilhões de dólares e nos anos 30, a renda bruta do conglomerado era a quarta maior do Brasil. Faturavam mais que Matarazzo apenas a União Federal, o Departamento Nacional do Café e o Estado de São Paulo diante dessas informações podemos ter a ideia da importância das S/A Industrias Reunidas Francisco Matarazzo.

Segundo o Administrador Geraldo Collaziol no seu artigo Os Erros dos Matarazzo onde acrescento algumas informações, os principais erros cometidos foram:

  1. A família Matarazzo não se manteve unida quando Ermelino Matarazzo que tinha o apoio de todos para comandar os negócios do Conde Francesco faleceu prematuramente. A eleição do sucessor pelo Conde recaiu sobre o 12º filho que era jovem e inexperiente, quando Francisco Matarazzo Junior, o Chiquinho assumiu os negócios começou um grande atrito em família que levou a uma dissolução societária alguns membros da família venderam suas partes na sociedade que eram comprados com recursos oriundos do capital das próprias empresas, comprometendo sua solidez e interrompeu as modernizações e ampliações, limitando seu crescimento e tornando as empresas obsoletas,
  2. O cenário industrial da época exigia agilidade e especialização e o conglomerado devido a sua falta de modernização ainda produzia uma infinidade de produtos, mas já não era líder de vendas de nenhum deles, pois já não tinham a mesma qualidade dos tempos áureos como resultado o Grupo foi perdendo espaço para a concorrência.
  3.  Devido a falta de analise das tendências do mercado, devido a sua verticalização ele não se especializou em nenhum setor o que não ocorreu com o Grupo Votorantim que hoje emprega 30.000 pessoas. Tem fábricas de cimento, de papel e celulose e metalúrgicas (alumínio, zinco e níquel), siderúrgicas, além de bancos, fábricas de suco Citrovita, fazendas de reflorestamento, entre outros negócios, em 2001 o Grupo iniciou um processo de internacionalização dos seus negócios de cimento, metais entre outros estando presentes diretamente em mais de 20 países, se formos analisar a Votorantim atua em setores muito parecidos em que a Matarazzo atuava, por exemplo, o Cimento Zebu até hoje produzido pela CIMPOR ou o Macarrão Petybom produzido pela J. Macedo alimentos ou o sabonete Francis uma fatia de 12,2% do mercado que é produzido pela Bertim em parceria com a Unisoap.. A comparação aqui colocada tem razão de ser, pois tanto o Grupo Matarazzo como o Grupo Votorantim tiveram suas raízes em Sorocaba, interior de São Paulo , na mesma época e no mesmo ramo comercio de alimentos e depois migrando para uma fabrica de tecidos. Outro episodio curioso em 1935 cursavam o 2º ano primário do Liceu Rio Branco, na mesma turma de Chiquinho Matarazzo o Antônio Ermírio de Moraes.
  4. Após a segunda guerra mundial, a economia nacional estimulava a industrialização de bens de capital e bens semiduráveis. O então presidente Juscelino Kubitschek convidou Chiquinho a participar de uma sociedade, para instalação de uma montadora de automóveis no Brasil, a Volkswagem. O Conde desdenhou, ou talvez, não tenha levantado informações suficientes para uma melhor avaliação da tendência da época, e não aceitou associar-se no projeto, enquanto isso a Votorantin ingressava, então, nos setores de mecânica e de máquinas, como a metalúrgica Atlas, montada em São Paulo, em 1944, que acabou produzindo equipamentos para acionar as outras indústrias.

Um conglomerado de tamanha magnitude, não foi a ruína em função de apenas quatro fatores. Houve outros erros e gastos exorbitantes na solução destes e outros confrontos familiares envolvendo as separações litigiosas que ocorrem em uma família composta de vários membros como é a Matarazzo

Segundo Domingos Ricca, existe um padrão histórico onde a empresa tem uma fase inicial de crescimento e expansão, sob a direção de seus criadores. Em seguida vem a segunda geração, que pode ser chamada de ”administradores do sucesso”. Nesta fase, a empresa continua indo bem, tendo lucro, pode até ser líder no mercado, mas deixou de inovar. A terceira gestão é a dos administradores da estagnação, onde surgem concorrentes mais competitivos e mais criativos onde gestores não conseguem fazer nada para mudar esta rota de declínio para ele o Grupo Matarazzo é um exemplo disso passou de líder nacional, a um pequeno grupo com interesses agrícolas e imobiliários.

Para Fábio Peixoto o caminho de diversificar e verticalizar produzindo a mais variada gama de produtos funcionou no começo do século XX, quando não havia indústrias no país. À medida que foi surgindo competição, em qualquer dos seus produtos o grupo passou a ter algumas ou algumas empresas mais competentes do que ele. Aqui entra o conceito americano da “core competence”: uma empresa deve se dedicar àquilo em que ela é especialmente boa o que não foi o caso da Matarazzo conta-se que antes da crise vendeu apenas uma empresa, e não foi por necessidade era uma fábrica de fósforos, que ele não conseguia integrar ao resto de suas fábricas. Aliás, dizem que ele ganhou um bom dinheiro com o negócio.

A sua historia é realmente fantástica nesta série de quatro artigos vimos como um espirito empreendedor é realmente de muita importância para a consolidação dos negócios, ao mesmo tempo em que quando se esta no mercado não se pode deixar de fazer a leitura desse mercado desprezando as oportunidades e subestimando as ameaças, podemos concluir que após a segunda guerra mundial, a economia nacional estimulava a industrialização de bens de capital e bens semiduráveis e o Conde Chiquinho e sua equipe não soube ler a tendência do mercado e não corrigiu sua rota de navegação e a exemplo do Titanic, que mesmo dispondo de algumas das mais avançadas tecnologias disponíveis da época e foi popularmente referenciado como “inafundável” em um folheto publicitário de 1910, da White Star Line, sobre o Titanic, alegava que ele fora “concebido para ser inafundável” naufragou em virtude de demora na comunicação com a Ponte em que preciosos segundos se perderam até que o comunicador foi atendido e mesmo corrigindo a rota se chocou com um Iceberg.  Foi o que ocorreu neste caso não cabia no entendimento da família Matarazzo que as IRFM eram inquebráveis, mesmo quando Maria Pia ao assumir o grupo põe em prática um plano que visa concentrar a empresa em ramos que na sua visão eram os principais ramos de atividade da Matarazzo, o papel, químico e álcool, não houve mais tempo, o desastre era inevitável.

Demolição da Fábrica de São Caetano

 Bibliografia utilizada para escrever a série:

 Os Matarazzo http://recantodasletras.com.br/artigos/371181

“Sou nacionalista, mas não sou burro”  http://veja.abril.com.br/030698/p_136.html

O caso Matarazzo http://www.portaltudoemfamilia.com.br/cms/?p=106

No Brasil, 90% das empresas são familiares http://www.sebrae-sc.com.br/newart/mostrar_materia.asp?cd_noticia=10410

Os Erros dos Matarazzo http://faculdadedoerro.wordpress.com/2009/01/08/os-erros-dos-matarazzo/

Escombros do império http://epoca.globo.com/edic/19990628/matarazzo.htm

Everton Calício : pesquisador e biógrafo sobre as Indústrias Matarazzo e Família Matarazzo no Brasil Colunista do Metrô News- Memórias da terra da garoa. Contato calicio@gmail.com

Pesquisas e leituras feitas em revistas,  jornais e internet.


Anúncios

5 Responses to Indústrias Matarazzo: a maior empresa brasileira de todos os tempos- Ultima Parte

  1. Prezado Pedro Paulo:

    Mais uma vez…..meus parabéns pela série “Mattarazzo”. Trata-se de uma análise profunda desse conglomerado que já foi o maior do Brasil. Um excelente “Case” para alunos de Gestão Empresarial.
    Continue nos premiando com matérias desse tipo….muito bom!
    Grande abraço
    Julio Cesar

  2. Ruyara disse:

    Sou um aprofunda admiradora da história brasileira e em especial a saga dos Matarazzo, ótima matéria.

    • editor do Site disse:

      Obrigado,
      Também sou muito ligado a história desse grupo que muito contribuiu com o desenvolvimento do Brasil.

      Pedro Paulo Morales

  3. Rodrigo disse:

    Ótima pesquisa! A história dos Matarazzo é realmente fascinante, só senti falta de pontuação ortográfica no texto, mas fora isso está ótimo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: