Riqueza em fundo de quintal

Por ivan Postigo

Esta coluna é publicada as Quartas Feiras.

Uma árvore, não importa o tamanho que possa atingir, nasce de uma pequena semente. No início de sua trajetória ela não passa de um insignificante broto, cuja existência pode ser apagada por um simples esbarrão.

Um campo vazio, cujas sementes estão germinando, se for pisoteado todos os dias, jamais terá uma rica e exuberante floresta, no máximo ervas rasteiras e maltratadas. E mais, não atrairá a fauna, que consigo carrega a flora. Assim surgem habitats com riquezas de vida.

Uma reflexão simples e lógica, concorda? Façamos uma transposição, levando essa imagem para o fundo dos quintais de casas onde sementes empresariais germinam.

Incontáveis histórias nos servem de exemplos de gigantescas organizações que nasceram nas garagens, em quartos de apartamentos, em sótãos e mesmos quintais. Outras tantas não vingaram, pois pisoteadas, não tiveram forças para superar os maus tratos.

Não apenas pessoas isoladas, mas famílias inteiras se sustentam e prosperam com trabalhos em fundos de quintais.

Os ganhos que as permitem pagar serviços que o governo deveria fornecer, mas não o faz como educação, saúde e segurança, são obtidos nas incontáveis horas nos fundos de seus quintais. Ali também se educam e se formam cidadãos.

Esquecida e sem apoio, a periferia desintegrada se integra à sociedade no fundo dos quintais. Nesses pequenos, apertados e precários espaços há mais dignidade que se possa imaginar. Sangue, suor, lágrimas e uma fé inabalável são componentes das vidas de pessoas que resistem e não desistem.

Trabalhos que oferecem a toda população segurança, vestuários, alimentos, conforto e abrigos, sem que se dê conta. Na mesa, na moda, na música, na tristeza da carência, na alegria que teimosamente se instala na periferia.

Milhares de prestações de suas máquinas para produzir, o nome limpo, única garantia de crédito, os fardos carregados e descarregados, com os próprios braços, movimentam e dão vida ao fundo do quintal. Parques fabris que se somados serão maiores que as grandes indústrias.

Relatórios dão conta que as micro e pequenas representam 98% do número de empresas no Brasil, com 67% de ocupações.

Sem a menor dúvida, essa é uma parte do iceberg, apenas a visível. Nessa pesquisa, levantamento, estatística são incontáveis os que não se contam. Há muito trabalho gerado nessa economia invisível, que sequer nos damos conta.

No salgado do café da manhã, no corte de cabelo, na faca afiada, no cabo da panela, no conserto da torneira, no reparo do chuveiro, há muito trabalho que não pega ônibus, trem ou metrô, mas que caminha sob as solas gastas, na periferia que os consome.

Diamantes brutos, prontos para lapidação, às vezes descobertos, seguem para o grande e visível mercado, fazendo dinheiro e fama, mas poucos.

Assim são esses quintais, resistem ao pisotear do esquecimento, da falta de apoio, e teimam em germinar suas sementes, onde florescem pequenas árvores, cujos frutos alimentam populações inteiras.

 Com muito trabalho e dignidade, superando enormes dificuldades, surge a riqueza em fundo de quintal.

www.postigoconsultoria.com.br

Twitter: @ivanpostigo

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: