A construção do futuro em 3 passos

Por ivan Postigo

Esta coluna é publicada as Quartas Feiras.

O futuro é o destino ou o destino é o futuro?

Ora, o que é o futuro e qual será o destino?

Seria este o grande mistério da vida?

Se for, ainda não nos demos conta, afinal poucos pensam e tratam deles, e muitos só se preocupam quando procuram ajuda na arte de prevê-los.

Diz o ditado que melhor do que prever o futuro é criá-lo!

No filme o Último Samurai, aliados, o capitão americano Nathan Algren e o samurai Katsumoto Moritsugu estão conversando antes da batalha, refletindo sobre as desvantagens que terão que enfrentar em número de soldados e potencial das armas. Algren, então, fala sobre a Batalha das Termópilas, onde 300 guerreiros gregos enfrentaram por dois dias um milhão de guerreiros persas, quando foram derrotados e mortos. Nesse período, cobraram um preço tão alto em vidas que os persas perderam a vontade de lutar.

Katsumoto, então, pergunta: – Você acredita que um homem pode mudar o seu destino?

Algren responde: – Acho que um homem faz o que pode até o destino se revelar!

O futuro poderá ser uma projeção do passado, portanto temos que conhecê-lo. É a melhor forma de evitar a repetição de erros, também.

Ler e ouvir sobre o passado não é suficiente quando podemos conviver com quem ali esteve, e no corpo e alma traz as cicatrizes.

Pelo retrovisor, não vemos apenas quem e o que ficou para trás, mas quem e o que vem vindo!

A flecha que derruba o guerreiro não tem seu disparo efetuado nem no futuro, nem no presente, mas no passado. Ao conhecê-lo, o guerreiro, a flecha, o encontro podem ser evitados. Quando não, o disparo contra este pode ser antecipado.

Como se o tempo não fizesse do futuro fato definitivo, o conhecimento faz com que o presente mude o que seria passado!

O que fazer do presente, quando este exige novos caminhos?

Nossa historia, quando registra sucesso, podemos retomá-la, com a volta às origens. Do passado, fazemos o futuro!

Quando o presente se mostra interessante, sem um passado glorioso, podemos investir nas ideias que dão certo e renovar aquelas que merecem uma nova roupagem. Sem perder de vista as lições aprendidas com a historia.

Quando os fatos não recomendam, pelo passado e presente, podemos inovar.

A palavra tem sua origem no latim,  innovatio, e se refere a uma ideia, método ou objeto  criado e aplicado, sem referências anteriores.

Descontentes por terem que remar para não serem levados pelas correntes e pelos ventos , o homem criou a vela triangular.

Não podiam mudar os fatos, mas podiam mudar os rumos.Como navegadores, na vida, não podemos mudar os ventos, mas podemos ajustar as velas.

O marinheiro sabe que é o vento passado  que empurrou o barco, mas com o movimento presente pode colocá-lo em direção ao  destino.

E  o que é o destino?

Destino são os imperceptíveis pontos de descanso no trajeto rumo ao futuro.

Ora, e o que é o futuro?

São as estradas e correntes  que nos levam logo ali!

Ivan Postigo é Diretor de Gestão Empresarial da Postigo Consultoria Comunicação e Gestão, Articulista, Escritor e Palestrante

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: