Sistema de Custos Standard – Variações de Custos com Materiais

Por Ari Lopes

Esta coluna é publicada aos Sábados

Em empresas industriais muitas vezes os materiais chegam a atingir 70, 80% ou até participação maior com relação aos custos totais.

Trabalhei em grandes empresas industriais do setor de consumo, onde era comum ocorrerem elevados custos de embalagens, o que tomado em conjunto com os custos da matérias primas, faziam com que os custos totais dos materiais assumissem altas cifras.

No entanto, ao consultarmos a literatura existente constatamos existir muito pouca informação sobre essa familia de custos.

Uma boa gestão de custos, identifica os custos reais com os matériais consumidos, compara-os com os consumos teóricos ou padrões, e identifica as variações classificando-as entre as mais diferentes causas.

Alguns sistemas precariamente desenvolvidos ou mal implantados não tem a capacidade de reportar valores reais comparativamente aos valores téoricos e respectivas variações. Eles apenas reportam os custos com base em valores teóricos. Diferenças de consumo dos materiais ficam automaticamente incorporadas às variações nos estoques, e são elas ajustadas por ocasião dos inventários gerais, ou cíclicos.

Em algumas empresas as pessoas que mais entendem sobre custos, são profissionais da área de tecnologia da informação, que acabam assumindo todo o trabalho de implementação dos diversos módulos do ERP. Essas empresas não adotam a figura do “key user”, que deveria ser funcionário das áreas operacionais onde os processos ocorrem.

Já encontrei gerente de área de técnologia da informação, que é radicalmente contra um ERP reportar consumos de materiais reais e teoricos, esse profissional assegura que isso seria um desperdício e que apenas o reporte do teórico é o suficiente. Para uma área de IT, concordo que deve ser melhor, fica bem mais fácil para eles darem suporte, apesar da implementação medíocre e inconveniente à boa gestão dos custos.

Assim, considero elemento essencial o ERP, seja ele o SAP, Microsiga, MFG, ou o que for, que os consumos reais e teóricos estejam disponíveis.

A seguir discorro sobre algumas variações dos materiais quando comparamos consumos reais versus teóricos:

1- Variações de Uso ( em inglês Usage variation )

Essas variações são decorrentes de diferentes quantidades serem consumidas em relação ao consumo teórico ou padrão. Muitos são os fatores que podem provocar consumos reais maiores que os teóricos, então apenas identificar as variações de uso não basta, é necessário identicar os motivos dos consumos maiores ou menores. Listos alguns a seguir:

1.1- Variações por perdas de produção acarretadas por mau funcionamento das maquinas e equipamentos;
1.2- Variações por problemas de qualidade;
1.3- Variações devido problemas de qualidade nos materiais;
1.4- Variações devido a falta de treinamento dos operadores
1.5- Variações devido a tamanho do lote de produção

2- Variações de Preço

As variações de preço serão indicadoras da eficiência do departamento de compras e também da área de planejamento, visto que compras urgentes, principalmente de produtos importados acabam implicando em maiores preços reais pagos.

As variações de preços serão geradas por pagarem preços diferentes daqueles previstos no custo standard.
É importante separar as variações de preços de materiais importados e materiais aquiridos localmente, logicamente no caso dos valores dos materiais importados serem relevantes.

Para materiais adquiridos no mercado local as variações de preços podem ocorrer por mudança de fornecedor, por mudança de prescriçao técnica do material, ou para o caso de commodities, devido a oscilação de preço no mercado. Em algumas empresas alguns processamentos externos podem também gerar variações nos preços dos materiais. Em alguns casos, alguns sustemas consideram custos com processamentos externos podem ser agregados aos preços dos produtos, eu prefiro que tais custos sejam isolados e controlados como uma categoria específica.

Materiais importados podem sofrer grandes variações de preços e as causas mais frequentes são: variaçao de frete devido urgência em importar via aérea em vez de via marítima; variação devido a custo de armazenagem local devido a material ficar parado no porto por motivos diversos. ´Para empresas com importante volume de importação é recomendável de prepare um relatório mostrando para cada itens 4 colunas a saber: preço unitário conforme invoice, frete marítimo, áereo ou terrestre e despesas alfandegarias.

arilopes@folha.com.br
www.blogdoprofessorari.blogspot.com

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: