Ei… analista não é apelido! É preciso mostrar competência!

Por Flávio Emílio

Esta coluna é publicada as Sextas Feiras e aos Domingos.

É cada vez maior o número de empresas que montam suas estruturas de carreira. Em geral, a sequência começa por cargos de auxiliar, seguidos dos assistentes, analistas, podendo chegar aos gestores. Esses dois últimos podem se subdividir em níveis como junior, pleno e senior.

Tenho tido oportunidade de interagir com vários analistas em minhas incursões no mercado. A impressão que tenho tido é que muitos profissionais almejam ser promovidos para chegar ao status de analista e, por consequência, saborear um aumento de salário e regalias, mas não se deram conta da responsabilidade envolvida nesta mudança.

Espera-se, obviamente, que um analista [em qualquer que seja a área] seja alguém que tenha capacidade de observar, refletir, comparar, priorizar, questionar, chegar a conclusões e tomar decisões… Enfim: os analistas devem ser cabeças pensantes dentro de suas equipes. Espera-se, assim, uma participação muito mais efetiva, ativa e que agregue competência ao trabalho.

Tempos atrás fui à sala de um empresário que num dado momento solicitou a um analista financeiro a impressão de uma planilha que estava no computador dele. Prontamente o documento chegou.

Ao receber, o chefe questionou: “qual o seu parecer sobre esses números?”

A resposta foi decepcionante: “não cheguei a analisá-los…”

Mas ele é um analista… que não teve nem a iniciativa de, pelo menos, olhar um documento que nada tinha de sigiloso.

É preciso ter cuidado para não cair numa perigosa zona de conforto. Lembre-se que, em geral, os analistas são candidatos naturais a participar de programas de desenvolvimento de lideranças. Por isso, eles são avaliados permanentemente. Há muitas expectativas depositadas sobre eles… Nada fora do normal.

Recomendo aos analistas que sejam mais ativos, ousados e antenados- mostrando que não ostentam um mero apelido, mas que são ativos de alto valor, importantes para empresas que atuam num mercado nacional e global onde a competição vem sendo travada não apenas por consumidores, mas por cérebros!

Flávio Emílio Monteiro Cavalcanti é administrador e Mestre em Gestão de Recursos Humanos .

http://dropsdecarreira.com.br/blog/

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: