Grande oferta: Cópia pelo preço do original

Por ivan Postigo

Esta coluna é publicada as Quartas Feiras.

Criatividade, inovação, revolução mercadológica são palavras muitos usadas, contudo a prática sempre foi observar o líder. Este lança um produto, um expositor, uma campanha, alguns cartazes, imediatamente será seguido.

Os líderes têm a tendência de adicionar talentos, competência, o que é muito diferente de contratar trabalhadores ou empregados.

Para o líder, cada projeto é um novo negócio, cada colaborador um empreendedor.

O empreendedor desenvolve sim a capacidade de absorver novas tendências e aplicá-las rapidamente, mas tem outra qualidade fundamental que é se livrar dos velhos conceitos.

O que cria barreiras para que muitas empresas se tornem grandes e melhores empreendimentos não é a dificuldade de entendimento e acesso a novas tecnologias e técnicas, e sim a resistência a se livrarem dos velhos procedimentos e vícios, que impedem a mudança de atitude.

A era do poder de quem tinha informação acabou, você pode obtê-la a qualquer hora. Hoje, o que importa é seu uso rápido. Tudo aquilo que for possível ser vendido em larga escala rapidamente terá seguidores, virará commodity e terá seu preço achatado.

O cover, a cópia, a imitação, a clonagem, podem ser um recursos no início de um projeto, como forma de entendimento e aprendizado, não como consolidação de uma trajetória.

Gestores presos a idéias ultrapassadas, em empresas cujas culturas assim se consolidaram, aprenderão de forma bastante contundente que é mais fácil destruir a organização do que mudá-la. As sementes das novas tendências precisam de campos férteis em nossas mentes para desenvolvimento.

Muitas empresas demoram anos para aceitar o futuro, quando o atingem tudo já se tornou ordinário.

A ânsia de seguir o líder e obter os mesmos resultados leva empresas a copiar tudo o quer for possível, de produtos e procedimentos a gestos.

Tivessem meios, contratariam todos os funcionários de seu concorrente, fariam os mesmos produtos e os venderiam nos mesmos lugares. Como isso não é possível, tentam conseguir alguns e vão ao mercado em busca de semelhantes.

Ao mesmo tempo em que procuram um perfil profissional, tentam encontrar linhas de pensamento idênticas à deles, que não necessariamente é a linha do concorrente, gerando um pequeno conflito.

Num mundo de iguais, como poderíamos ser tão iguais, uma cópia perfeita, o ponto de nos destacarmos e sermos diferentes?

Neste mundo de clonagem, pode-se obter adaptação, nunca evolução. As idéias serão sempre as mesmas.

O concorrente atingiu essa posição no mercado por uma série de atributos e não apenas por um, por isso representa algo na mente do consumidor. Qualidade que a cópia não terá.

A questão que deve ser analisada é porque alguém pagaria o preço de original por uma cópia, se pode ter acesso a ele?

Ivan Postigo é Diretor de Gestão Empresarial da Postigo Consultoria Comunicação e Gestão, Articulista, Escritor e Palestrante.

www.postigoconsultoria.com.br

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: