Habilidades do líder: torne-se um deles por excelência

Akio Morita e a Sony

Por Jerônimo Mendes

Esta coluna é publicada aos sábados

Ninguém nasce líder nem todos aspiram à liderança. Se todos os líderes levassem a resultados positivos, o mundo seria diferente. Além do mais, existem aqueles elevados à condição de liderança mediante conchavos, arranjos e apadrinhamentos, mas esse jogo faz parte do mundo dos negócios.

As condições que favorecem a liderança podem ser as mais inexplicáveis possíveis. Estudos realizados por Robert Goffe e Gareth Jones, da Harvard Business School, confirmam que os quatro mitos mais populares sobre liderança já foram derrubados. São eles:

– Nem todas as pessoas podem ser líderes;

– Líderes nem sempre levam a resultados;

– Pessoas que chegam ao topo não são, necessariamente, líderes;

– Líderes nem sempre são grandes coaches (condutores de equipes).

De fato, ninguém nasce líder nem todos aspiram à liderança. Se todos os líderes levassem a resultados positivos, o mundo seria diferente. Além do mais, existem aqueles elevados à condição de liderança mediante conchavos, arranjos e apadrinhamentos, mas esse jogo faz parte do mundo dos negócios e do mundo político e pouco se pode fazer contra ele.

Por esses e outros motivos, a liderança também é cíclica. A cabeça dos líderes pode rolar de acordo com o humor dos acionistas, a insatisfação da própria equipe, a conspiração silenciosa dos demais líderes e a própria falta de adaptação do líder ao cargo.

Por outro lado, alguns líderes tiranos e prepotentes tendem a se sustentar no cargo com a obtenção de resultados favoráveis seguidos, alcançados mediante coerção, ameaças e jogo sujo.

Esse tipo de comportamento acaba encobrindo os defeitos e premiando a incompetência de alguns líderes no trato com as pessoas. Para muitas empresas, o que interessa é o resultado, portanto, mesmo que a direção tome conhecimento dos desmandos, posturas assim são ignoradas em nome do lucro.

De acordo com Robert Katz, professor norte-americano e pesquisador do comportamento organizacional, a liderança demanda três competências essenciais:

§ Habilidades Técnicas: capacidade de aplicação de conhecimentos ou habilidades específicas. Diz respeito à formação e conhecimento do líder, a sua expertise, aquilo que você realmente sabe fazer;

§ Habilidades Humanas: capacidade de trabalhar com outras pessoas. Diz respeito à sua habilidade de relacionamento interpessoal: saber motivar, ser bom ouvinte, saber se comunicar, formar equipes de alto desempenho, enfim, saber lidar com gente;

§ Habilidades Conceituais: diz respeito à sua capacidade de analisar e diagnosticar situações complexas e, com base nelas, tomar decisões acertadas para o bem da empresa.

As habilidades técnicas dependem apenas de você. As habilidades humanas e conceituais dependem de flexibilidade, negociação, aperfeiçoamento constante e certa renúncia para resistir a todo tipo de sacanagem.

Assim, seja flexível, porém mantenha seus princípios. Os valores mudam, mas os princípios permanecem. Conciliar habilidades e valores sem ignorar os princípios é o verdadeiro desafio da liderança.

Pense nisso e seja um líder por excelência!

Jerônimo Mendes é Administrador, Coach, Professor Universitário e Palestrante, Graduado em Administração de Empresas e Especialista em empreendedorismo.

www.jeronimomendes.com.br

Fonte:Administradores.com

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: