Algumas reflexões sobre o discurso de Abílio Diniz

Abílio Diniz em evento da Endeavor

Por Pedro Paulo Morales

Após entregar o comando da controladora do Grupo Pão de Açúcar ao francês Casino, o empresário Abílio Diniz fez um discurso movido pela emoção, procuro aqui destacar alguns trechos para reflexão.

“Deus me fez forte… Vou seguir em frente, não sei como, mas vou” com essa frase ele mostra que sempre foi um empresário apaixonado pelo que faz e que deus sempre e que confia em deus, mostra em trechos de seu discurso lembranças de sua vida que são únicas na de um homem como o nascimento de um filho “Aqui nesta sede, nasceu minha filha Ana Maria, nos fundos da loja número um. Aqui desenvolvi minha carreira de empresário”, em outras partes de sue discurso Abílio diz que uma empresa apenas se torna forte quando consegue desenvolver bons valores e internaliza-los na cultura da empresa “Não chegamos até aqui sem bons motivos. Temos cultura e temos valores.” Diz ainda que mesmo não sendo mais o principal acionista do grupo vai continuar sendo o guardião do grupo e continua com garra para caminhar pela vida “No que depender de mim, vou continuar na defesa de tudo isso que nos fez grandes e dignos. Apesar de abalado pelos últimos acontecimentos, estou forte e sinto grande vontade de continuar melhorando como pessoa, progredindo como empresário e me aperfeiçoando como ser humano.”.

Abílio Diniz se sente magoado com os acontecimentos dos últimos tempos, triste e decepcionado com distorções de verdade e deixa um recado para seus sócios que mostra qu os colaboradores eram tratados nas suas empresas como uma família e neste ponto esta um dos fatores de sucesso do Pão de Açucar “Não posso exigir que os novos comandantes o exerçam à minha maneira, mas, posso pedir que não esqueçam que esta empresa é uma empresa familiar. Não porque foi fundada e pertenceu a uma família, mas, porque é uma família para quem trabalha nela.” , uma vez ouvi de um caixa de supermercado “Aqui é fácil entrar , o difícil é sair , me sinto bem aqui!” ao ser questionado por um outro rapaz que queria mandar um currículo para o Pão de Açúcar.

Abílio termina seu discurso dizendo que não quer tristeza, a transferência de controle é um fato normal e que não esta se despedindo “Sempre digo que há três coisas que detesto: cebola, despertador e despedida. Não façam de hoje um dia de tristeza. Considerem toda a emoção desta transferência de controle como algo normal. Temos de acreditar que a vida continua, que a vida é bela, que o mais importante é saúde e que, com saúde e com força, a gente vai buscar o que quer”.

Leia o discurso. Continue lendo “Algumas reflexões sobre o discurso de Abílio Diniz”

Anúncios